:Órfãos de uma paixão assassinada

Órfãos de uma paixão assassinada - TV Na Rua CornelioDigital Órfãos de uma paixão assassinada - TVNaRua Cornelio Digital - Notícias, Eventos e Entretenimento
Órfãos de uma paixão assassinada

Enquanto as mesas redondas discutiam as polêmicas da rodada e os programas de TV reprisavam os gols mais bonitos deste domingo (25), a Portuguesa desaparecia do cenário nacional ao ser eliminada na Série D do Campeonato Brasileiro. Os raros minutos de destaque e as tímidas linhas de texto davam conta de uma derrota por 1 a 0 para a Desportiva Ferroviária no Espírito Santo. Como que apenas mais uma entre tantas quedas em uma competição. Um dia certamente alguém que não frequenta as alamedas do Canindé sentirá falta da Lusa e tentará saber por que razão o clube sumiu. Aí virão atrás de nós, os órfãos de uma agremiação assassinada na base da covardia e da omissão.

Sim, de nós. Tanto os que não arredaram pé da arquibancada em meio a esse processo de desmonte quanto os que foram cansando e se afastando pelo caminho. Os que foram dormir sem saber se acordariam com um time para torcer, com cores para defender, com um sentido para continuar a viver. Os que nem dormir conseguiram, chorando ao lembrar dos momentos com os avós, os pais, os irmãos, os filhos e os netos no Canindé. Porque, para nós, o futebol é o espaço em que nos sentimos parte do lugar que nossos antepassados tiveram de deixar para trás, o símbolo de terem vencido na vida, o ambiente em que ensinaram valores à família, o lugar em que o coração se sente em casa.

 

O clima, entre nós, é de velório. Nosso time foi eliminado da última divisão do futebol brasileiro, não está disputando sequer a elite do campeonato estadual e só garante vaga na próxima Série D se for campeão da Copa Paulista. Vocês sabem o que é, para um torcedor da Lusa, ter de levar a sério uma Copa Paulista? A paixão sempre nos cegou e dificultou enxergarmos se realmente não haveria mais como reverter a situação. Hoje, então, fica ainda mais complicado abraçar alguma esperança. Se ainda nos restou alguma força, que seja ao menos para escancarar os motivos desse desaparecimento da Portuguesa. Aqueles que só nós, que vivemos o dia a dia desse clube, sabemos. 

Desde 2013, é impossível conversar com alguém sobre a Lusa sem que citem o "caso Héverton". Esse é o grande nó que sufocou de vez qualquer chance de ressurgimento de um clube já combalido. Além de ser retirada da elite nos tribunais, ser acusada de vender a vaga, ser objeto de oportunismo de outros clubes, ser tolhida de milhões em cotas de televisão e ser humilhada pelos próprios diretores em rede nacional, a Portuguesa foi vítima da omissão da CBF, do STJD, do Ministério Público, da Justiça e dos próprios conselheiros do clube. Pior do que aquele rebeixamento vergonhoso foi ninguém ter feito nada. Tanto dentro quanto fora do Canindé. Assassinar a Portuguesa é jogar uma pilha de sujeira para debaixo de um tapete imenso, puxado para que nós torcedores caíssemos.

Porque a torcida da Lusa é a única vítima daquilo, que é sem dúvida uma das maiores vergonhas do futebol brasileiro. O que muitos não conseguem - ou não querem - entender é que não foi a torcida que provocou o "caso Héverton". Foram pessoas que se apoderaram de instituições e que continuam a dormir tranquilamente. Que serão poupadas de qualquer responsabilidade com a morte da Portuguesa. É curioso que o clube tenha apenas definhado desde então, sem qualquer poder de reação, caindo de divisão ano após ano. E nós, torcedores, assistimos a sucessivas gestões catastróficas desde aquilo. Salvo uma ou outra exceção, tudo que foi feito afundou ainda mais a Rubro-Verde.

Só que o "caso Héverton" foi apenas o golpe fatal. O problema central da Portuguesa está na administração. Que, não bastando ter parado no tempo, foi sempre contaminada por disputas nefastas. Se a política já é vergonhosa por natureza, imagine em uma colônia em que meia dúzia se sente dona do clube. A vaidade é um problema eterno no Canindé e faz com que grupos boicotem a própria Lusa apenas para prejudicar rivais. Isso, com o tempo, foi afastando pessoas honestas, capazes e que tinham condições de ajudar a Rubro-Verde e evoluir. Foram sobrando apenas os velhos, endinheirados, interesseiros e que se intercalavam no poder como que num jogo de cartas marcadas.

 

Quando veio a Lei Pelé, com a Lusa estacionada no tempo, surgiram as dívidas astronômicas. O que esperar de um grupo podre no comando do clube? Contratavam como se comprassem leite para as padarias e dispensavam como se jogassem farinha vencida no lixo. Mas quem dera se cuidassem da Portuguesa como dos próprios negócios. Vieram as ações trabalhistas, as condenações sem nem mandar advogado para defesa, as penhoras e os salvadores da pátria. Vários tiravam do próprio bolso para bancar a Rubro-Verde. Uns por amor, por dedicação, para ajudar. Outros, nem tanto. Não demorou para que o jogo virasse e muitos passassem a pressionar para recuperar o dinheiro "investido".

 

Aquela queda em 2013 não foi de um clube profissional que se mantinha na elite. Mas, sim, de um clube pessimamente administrado e que tinha na permanência na Série A a única chance de captar recursos para quitar dívidas. O grande nó, talvez até maior que o "caso Héverton", já se chamava Canindé. Com o patrimônio penhorado, não havia saída desde então: pagar as dívidas ou perder o terreno. E essa é a disputa que tem corroído todas as oportunidades de reconstrução da Portuguesa desde aquele fatídico rebaixamento. Uma colcha de retalhos que foi sendo sutilmente costurada, sob a completa omissão do Conselho Deliberativo e do Conselho de Orientação e Fiscalização.

 

 

Qual não foi o espanto? Os entusiastas da venda do terreno e de deixar o Canindé ir a leilão foram surgindo. Curioso isso acontecer em um clube no qual tantos cobram por terem investido no passado, não? Mais curioso ainda foi ter visto, desde 2013, todas as medidas contrárias serem boicotadas. Quem tentou mudar o rumo da derrocada foi derrubado do poder. Quem apresentou propostas para quitar as dívidas sequer teve espaço nas reuniões dos conselheiros. Quem conseguiu parcerias com a iniciativa privada para capitalizar em cima do patrimônio e barrar o leilão foi silenciado. No pior ano da história da Portuguesa, o Conselho Deliberativo não realizou uma reunião sequer. Pasmem.

Se um dia quiserem saber o porquê do sumiço da Portuguesa, sigam o caminho certo. Não caiam nas histórias de que o "caso Héverton" foi a causa de tudo. Mas, sim, que foi apenas o golpe fatal de um processo de desmonte maior. Não comprem o discurso de que a culpa é da imprensa, que nunca teria dado voz a um clube cujas direções foram escondendo. Não comprem o discurso de que sempre houve presidente fazendo das tripas corações para salvar a Lusa. Não comprem o discurso de que só a falta de dinheiro fez com que essa derrocada fosse tão vertiginosa. Não comprem esse discurso, que nos últimos tempos tem acusado até mesmo a torcida de assassinar o clube que ama. 

 

Seria absurdo pedir que os outros tivessem essas sensações. Mas um dia perceberão que uma parte importante do futebol deste país evaporou. O clube que revelou o primeiro brasileiro campeão do mundo. O clube que foi ao exterior representar o Brasil após o vexame de 1950 e voltou recepcionado por uma multidão em São Paulo. O clube que cedeu quase que meio time para a Copa do Mundo seguinte. O clube que um dia foi base da seleção brasileira. O clube que foi considerado uma das quatro grandes forças do futebol paulista. Sim, uma das quatro. O clube que construiu todo seu patrimônio sem um tostão público, apenas com o suor e as lágrimas de uma coletividade.

A queda na primeira fase de uma mísera Série D, as contratações totalmente infundadas, as chegadas que racharam o elenco, o jogador que praticamente virou diretor de futebol, os técnicos que sugiram como marionetes, o atacante salvador que jamais jogou, a partida decisiva em um Canindé de portões fechados e o vergonhoso atestado de mera incompetência da diretoria são apenas mais alguns ingredientes de um processo dolorido pelo qual temos passado. Enquanto uns não conseguem ter a dimensão dessa queda da Lusa e outros se benficiam do silêncio, a torcida vai tentando juntar os cacos de um coração dilacerado, de uma vida sem sentido. 

Não se arranca um amor do peito como se tira uma camisa de futebol do corpo. Esse amor vai nos levar a algum lugar. Ainda mais a nós, que só sabemos resistir. Qualquer dia a gente se encontra, seja em um livro de história, em um campo de várzea ou em um ato heroico nosso. 

FACEBOOK | Curta a página do blog e acompanhe as novidades

ACERVO DA LUSA | O maior acervo digital sobre a história da Portuguesa

RUBRO-VERDE ESPETACULAR | O time três vezes Fita Azul em DVD para sua coleção

Visualizações 187
Fonte: Globo Esporte
Por: Redação
Data: 27/06/2017 00h51min

« anteriorpróximo »

« anterior [1]  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25  26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50  51  52  53  54  55  56  57  58  59  60  61  62  63  64  65  66  67  68  69  70  71  72  73  74  75  76  77  78  79  80  81  82  83  84  85  86  87  88  89  90  91  92  93  94  95  96  97  98  99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125  126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150  151  152  153  154  155  156  157  158  159  160  161  162  163  164  165  166  167  168  169  170  171  172  173  174  175  176  177  178  179  180  181  182  183  184  185  186  187  188  189  190  191  192  193  194  195  196  197  198  199  200  201  202  203  204  205  206  207  208  209  210  211  212  213  214  215  216  217  218  219  220  221  222  223  224  225  226  227  228  229  230  231  232  233  234  235  236  237  238  239  240  241  242  243  244  245  246  247  248  249  250  251  252  253  254  255  256  257  258  259  260  261  262  263  264  265  266  267  268  269  270  271  272  273  274  275  276  277  278  279  280  281  282  283  284  285  286  287  288  289  290  291  292  293  294  295  296  297  298  299  300  301  302  303  304  305  306  307  308  309  310  311  312  313  314  315  316  317  318  319  320  321  322  323  324  325  326  327  328  329  330  331  332  333  334  335  336  337  338  339  340  341  342  343  344  345  346  347  348  349  350  351  352  353  354  355  356  357  358  359  360  361  362  363  364  365  366  367  368  369  370  371  372  373  374  375  376  377  378  379  380  381  382  383  384  385  386  387  388  389  390  391  392  393  394  395  396  397  398  399  400  401  402  403  404  405  406  407  408  409  410  411  412  413  414  415  416  417  418  419  420  421  422  423  424  425  426  427  428  429  430  431  432  433  434  435  436  437  438  439  440  441  442  443  444  445  446  447  448  449  450  451  452  453  454  455  456  457  458  459  460  461  462  463  464  465  466  467  468  469  470  471  472  473  474  475  476  477  478  479  480  481  482  483  484  485  486  487  488  489  490  491  492  493  494  495  496  497  498  499  500  501  502  503  504  505  506  507  508  509  510  511  512  513  514  515  516  517  518  519  520  521  522  523  524  525  526  527  528  529  530  531  532  533  534  535  536  537  538  539  540  541  542  543  544  545  546  547  548  549  550  551  552  553  554  555  556  557  558  559  560  561  562  563  564  565  566  567  568  569  570  571  572  573  574  575  576  577  578  579  580  581  582  583  584  585  586  587  588  589  590  591  592  593  594  595  596  597  598  599  600  601  602  603  604  605  606  607  608  609  610  611  612  613  614  615  616  617  618  619  620  621  622  623  624  625  626  627  628  629  630  631  632  633  634  635  636  637  638  639  640  641  642  643  644  645  646  647  648  649  650  651  652  653  654  655  656  657  658  659  660  661  662  663  664  665  666  667  668  669  670  671  672  673  674  675  676  677  678 próximo »


Hospital do Câncer de Londrina


CONTATO
contato@nossoclick.com
antonio.zaneti@gmail.com
(43)99920-1893



TV Na Rua / CornelioDigtal / BandDigital- 2007 - 2014