:Em queda livre, RBR se apresenta para a torcida neste domingo, na Áustria

Em queda livre, RBR se apresenta para a torcida neste domingo, na Áustria - TV Na Rua CornelioDigital Em queda livre, RBR se apresenta para a torcida neste domingo, na Áustria - TVNaRua Cornelio Digital - Notícias, Eventos e Entretenimento
Em queda livre, RBR se apresenta para a torcida neste domingo, na Áustria

Equipe chega à corrida em casa com desempenho ruim e sem ter conquistado um
pódio sequer nesta temporada. No ano passado, time conseguiu vencer três etapas

Neste domingo, a equipe RBR corre em casa, no seu país, Áustria, no seu autódromo, RBR Ring. O proprietário da empresa, Dietrich Mateschtiz, não mede esforços para pagar a elevada taxa do promotor, cobrada pela Formula One Management (FOM) a cada edição do evento, estimada em 18 milhões de euros (R$ 65 milhões), e investir mais cerca de 12 milhões de euros (R$ 45 milhões) na organização e promoção do GP da Áustria.

Tudo para, essencialmente, a torcida da nação acompanhar de perto a participação da sua ainda bem estruturada escuderia no Mundial de F-1. Mas, a exemplo do ano passado, quando a prova voltou ao calendário, a RBR que os fãs irão ver não tem nada a ver com a que conquistou com brilhantismo, de 2010 a 2013, os quatro títulos de pilotos, com Sebastian Vettel, e de construtores.

O acordo entre Mateschitz e Bernie Ecclestone, promotor da F-1, para a Áustria voltar ao campeonato, foi assinado em 2013, quando a organização austríaca desempenhava o papel da Mercedes, hoje, ou seja, não estabelecer a pole position e vencer a corrida representavam grande surpresa.

O rendimento de Daniil Kvyat e Daniel Ricciardo tem decepcionado os torcedores da RBR (Foto: Getty Images)



O desempenho do time austríaco com sede em Milton Keynes, Inglaterra, despencou com a mudança radical do regulamento, em 2014. A introdução da tecnologia das unidades motrizes híbridas e a perda de profissionais competentes o transformou de protagonista a coadjuvante do evento.

Se a Áustria ainda não fizesse parte do calendário, muito provavelmente Mateschitz não deslocaria tanto dinheiro, hoje, para receber a F-1 no seu autódromo. Diante das imensas dificuldades técnicas que atravessa, e sem perspectiva a curto prazo de mudança, Mateschitz e seu braço direito, Helmut Marko, falam até em abandonar o projeto de F-1.

Comparar o retrospecto da RBR de 2013 para cá, por exemplo, sem precisar recorrer às temporadas de 2010, 2011 e 2012, todas vencidas pela escuderia, dá bem uma ideia do porquê da frustração dos fãs austríacos, de Mateschitz e Marko.

 

 



nenhum pódio


Depois de sete etapas disputadas, este ano, por exemplo, a melhor colocação da RBR no grid foi a do talentoso australiano Daniel Ricciardo, 25 anos, em Mônaco, terceiro, a 943 milésimos do pole position, Lewis Hamilton, campeão do mundo e líder do campeonato. E em corrida, o quarto lugar do promissor russo Daniil Kvyat, 21, também em Mônaco. Kvyat ocupa a vaga de Vettel, contratado pela Ferrari para substituir Fernando Alonso.

No ano passado, quando a F-1 chegou na Áustria, também oitava etapa, como agora, a RBR ao menos já tinha cinco pódios, dentre eles a vitória de Ricciardo em Montreal. Havia somado 139 pontos, vice-líder entre os construtores. O quadro era mais otimista que o experimentado este ano, sem nenhum pódio e apenas 54 pontos, quarta colocada. Em 2013, a realidade era ainda mais distante da atual. Vettel definiu a conquista do quarto título seguido no GP da Índia, restando ainda três provas para o encerramento do campeonato.

"Irreconhecível", Daniel Ricciardo, da RBR, ainda não conquistou um pódio sequer nesta temporada (Foto: Getty Images)

Pior para os fãs, Mateschitz e Marko é saber que Ricciardo e Kvyat, no fim de semana, não poderão apresentar nada de grandioso, salvo grande surpresa. Uma referência para a prova austríaca pode ser o GP do Canadá, realizado dia 7, pois o circuito Gilles Villeneuve lembra o RBR Ring. E lá a RBR se mostrou pouco competitiva. São trechos longos de aceleração plena interrompidos por curvas de baixa velocidade. Os pneus serão os mesmos. A Pirelli irá distribuir os supermacios e os macios.

Kvyat largou em oitavo, em Montreal, a 1 segundo e 686 milésimos do pole position, Hamilton, e Ricciardo em nono. Ao fim das 70 voltas da corrida, Kvyat era o nono, a uma volta de Hamilton, o vencedor, e Ricciardo, o 13º.

Na edição do GP da Áustria de 2014, Ricciardo largou em quinto e chegou em oitavo, 43 segundos depois de Nico Rosberg, da Mercedes, vencedor. Vettel saiu da 12ª colocação no grid, teve problemas ainda na segunda volta e depois abandonou na 34ª, de um total de 71, por pane elétrica.

Além de Mercedes e Ferrari, há boa possibilidade de a Williams se distanciar ainda mais da RBR no Circuito RBR Ring. A Wiliams é a terceira entre os construtores, com 104 pontos. Felipe Massa e Valtteri Bottas vão dispor de uma nova versão do FW37-Mercedes. “É um grande pacote aerodinâmico”, afirmou Pat Symonds, diretor técnico. Em 2014, Massa e Bottas largaram na primeira fila na Áustria e terminaram em terceiro e quarto, atrás de Rosberg e Hamilton.

O desempenho do substituto de Vettel, o russo Daniil Kvyat, também tem sido alvo de críticas (Foto: Getty Images)

as razões


Por que a equipe que era a referência na F-1, o concorrente que todos desejavam vencer, caiu tanto de performance? Por quais razões Ricciardo e Kvyat não podem sequer sonhar em lutar pela pole position, sábado, e a vitória, domingo, no circuito localizado entre os municípios de Spielberg e Zeltweg, na região da Estíria, fim dos alpes austríacos, um dos cenários mais lindos da F-1?

Dois fatores surgem como os principais para explicar a queda de performance da RBR. O primeiro é a pouca eficiência da unidade motriz híbrida fornecida pela Renault. Desde o ano passado os franceses perdem feio a disputa para a Mercedes. E nesta temporada para a Ferrari também.

O outro motivo é, sem dúvida, a perda do diretor técnico, o genial Adrian Newey. Uma coisa era esse engenheiro aeronáutico, o de maior número de títulos mundiais de pilotos na história da F-1, dez, estar todos os dias na sede da RBR, próxima a Silverstone, coordenando o projeto dos carros e de boa parte dos detalhes da área técnica. Outra, bem diferente, como agora, é Newey apenas analisar o que o grupo coordenado por Rob Marshall, seu vice até então, concebeu para o time.

Mais: Newey orientava, na área de aerodinâmica, o engenheiro Peter Prodromou e este, conhecendo-o há muito, sabia o que fazer. Prodromou foi ser o número 1 na McLaren, no ano passado, e é o responsável pelo atual modelo MP4/30-Honda.

Newey é, hoje, apenas um consultor. Perdeu o interesse pela F-1. “Se eu acertar no meu projeto, a aerodinâmica funcionar como desejo, vou ganhar três décimos de segundo. Já uma unidade motriz eficiente é capaz de te dar um segundo. Na F-1 hoje não existe uma área onde um projetista possa fazer a diferença. Quase tudo se resume a ter ou não ter uma unidade motriz que funcione bem”, diz Newey. Seu desafio, agora, é estudar como tornar os barcos da America "s Cup mais eficazes na travessia dos oceanos.

Nem todos veem dessa forma, afinal no ano passado Vettel perdeu e por muito a disputa com Ricciardo. Mas sua liderança, inteligência, velocidade, constância, dedicação ao trabalho e empatia com Newey foram fundamentais no período de recordes da RBR. O modelo do ano passado, RB10-Renault, menos equilibrado do que estava acostumado, interveio mais na produção de Vettel e menos na de Ricciardo.  

"Desinteresse" do projetista Adrian Newey pode ser uma das causas da queda de rendimento(Foto: Getty Images)

 

 

 

braço de ferro


A queda de rendimento da RBR gerou um clima de elevada tensão no relacionamento com a Renault.

Na época dos motores V-8 de 2,4 litros, aspirados, por exemplo entre 2010 e 2013, os franceses repassavam a RBR um motor que se não era o melhor na resposta de potência ao menos a disponibilizava progressivamente, em todas as faixas de rotação, portanto permitia ao piloto excelente dirigibilidade, além de raramente apresentar problemas.

Mais que isso: a relação entre Christian Horner, diretor da equipe, Marko, e Cyril Abiteboul, diretor da Renault, era profissional. Eles não trocavam acusações através da imprensa como fazem agora. Horner e Marko responsabilizam a Renault pelo fracasso da RBR em 2014 e nas sete etapas disputadas, este ano, enquanto Abiteboul lembra que além das dificuldades da unidade da Renault existe a menor eficiência, também, do chassi produzido pela RBR. Procedente em todos os sentidos.

Mercedes e Ferrari estão, nesta temporada, muito à frente da Renault, em todos os parâmetros de análise de uma unidade motriz: potência, dirigibilidade, consumo, resistência, sistemas de recuperação de energia. Os franceses só se mostram melhores que os japoneses da Honda, associados a McLaren. E diante da enorme diferença existente entre o que produz a unidade motriz da Renault e a da Mercedes e Ferrari, não há indícios de que a RBR, ainda este ano, no que depender da unidade, poderá lutar com as duas adversárias.

Vista aérea do circuito de Spielberg, palco do GP da Áustria (Foto: Agência EFE)

 



planos para 2016 e 2017


“2015 está perdido. Estamos pensando já em 2016 e até 2017. Vamos aguardar a decisão da Renault, saber o que eles vão fazer para então pensarmos numa solução”, disse ao GloboEsporte.com Marko, em Mônaco. A Renault não está longe de definir seu rumo. Pode continuar fornecendo a unidade aos clientes, competir com escuderia própria ou mesmo abandonar a F-1. “Tudo é possível, estamos avaliando o que é melhor para nós”, disse Abiteboul, depois do GP do Canadá.

Não importa a decisão da Renault, permanecer ou deixar a F-1, o desafio da RBR é imenso. Mercedes e Ferrari não deverão fornecer sua unidade, pois poderia representar um risco. As instalações da escuderia austríaca estão no mesmo nível ou até mais avançadas que as da Ferrari e Mercedes. E orçamento lá não é problema. Ainda que hoje a RBR não projete e constrói um chassi no nível do W06 Hybrid da Mercedes, do SF-15-T, Ferrari, e mesmo FW37-Mercedes, da Williams, potencialmente é capaz de fazê-lo.

A Renault fornece sua unidade para o outro time do grupo RBR, o STR, de Max Verstappen e Carlos Sainz Junior. As duas são dependentes, portanto, da decisão da montadora francesa. A unidade de Viry-Chatillon, ao Sul de Paris, onde são projetadas e construídas as unidades motrizes da Renault, também perdeu engenheiros importantes, o que ajuda a explicar a falta de eficiência de suas unidades. A política da montadora é fazer o projeto da F-1 ser auto-sustentado. O dinheiro proveniente do fornecimento das unidades deve cobrir todas as despesas.
Marko viu que Mercedes e Ferrari investem muito mais e desde o fim do ano passado a RBR colabora com o orçamento da Renault. Mas os resultados não apenas não foram os esperados como os franceses perderam terreno.

Parece ser bastante difícil convencer uma montadora a investir na F-1, hoje, na complexa e cara tecnologia das unidades híbridas. No nível de exigência da F-1 certamente o interessado precisará de, trabalhando com precisão e dispondo de muito dinheiro, dois anos para chegar num estágio semelhante ao da Ferrari, por exemplo.

É por essa razão que a ameaça da RBR de, eventualmente, deixar de investir 240 milhões de euros (R$ 900 milhões) por ano na F-1 é real. “Qual o sentido de continuarmos aqui se não conseguirmos uma unidade motriz que nos permita lutar com os melhores? Estamos na F-1 para disputar títulos, não apenas fazer parte”, afirmou ao GloboEsporte.com Marko, no Bahrein.

Christian Horner, chefe da RBR, com Cyril Abiteboul, diretor esportivo da Renault (Foto: Divulgação)

ciclo, agora, é da mercedes


Historicamente a F-1 apresenta esses ciclos. Por algumas temporadas uma escuderia se impõe sobre as demais e depois os adversários vão chegando e a ultrapassam, dando início a um novo ciclo de dominação. Num passado mais recente, a associação McLaren-Honda conquistou tudo de 1988 a 1991, com Ayrton Senna e Alain Prost.

A Williams foi campeã, nos anos 90, em 1992, Nigel Mansell, 1993, Prost, 1996, Damon Hill, e 1997, Jacques Villeneuve. Até hoje não voltou a ser forte candidata ao título. A Ferrari, com Michael Schumacher, ganhou cinco campeonatos seguidos, de 2000 a 2004. A RBR, quatro. E agora é a vez de a Mercedes fazer os concorrentes investirem pesado para se aproximar.
Mas há uma luz no fim do túnel para a RBR: a F-1 em 2017 será bem diferente da atual. Os carros serão mais largos, bem como os pneus, as unidades motrizes híbridas vão gerar cerca de 200 cavalos a mais de potência de hoje, atingindo a casa dos mil cavalos, e o formato da competição será outro.

A Mercedes de Hamilton e Rosberg é a atual força dominante da Fórmula 1 (Foto: AP)



Em geral, é quando ocorre uma revisão conceitual do regulamento que um time o interpreta com maior capacidade e acaba se impondo na F-1. E essa mudança não está tão longe. Tudo deverá ser definido ainda nesta temporada para os diretores técnicos iniciarem já seus estudos sobre a nova F-1.

Trata-se de uma excelente oportunidade para a RBR mostrar que ainda pode produzir carros velozes e equilibrados. Desde que, claro, de alguma forma venha a contar com uma unidade motriz mais eficiente, da Renault ou outro fornecedor.

Os primeiros treinos livres do GP da Áustria, sexta-feira, começam às 5 horas, horário de Brasília.

Visualizações 1009
Fonte: Globo Esporte
Por: Antonio Delvair Zaneti
Data: 16/06/2015 12h55min

« anteriorpróximo »

« anterior [1]  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25  26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50  51  52  53  54  55  56  57  58  59  60  61  62  63  64  65  66  67  68  69  70  71  72  73  74  75  76  77  78  79  80  81  82  83  84  85  86  87  88  89  90  91  92  93  94  95  96  97  98  99  100  101  102  103  104  105  106  107  108  109  110  111  112  113  114  115  116  117  118  119  120  121  122  123  124  125  126  127  128  129  130  131  132  133  134  135  136  137  138  139  140  141  142  143  144  145  146  147  148  149  150  151  152  153  154  155  156  157  158  159  160  161  162  163  164  165  166  167  168  169  170  171  172  173  174  175  176  177  178  179  180  181  182  183  184  185  186  187  188  189  190  191  192  193  194  195  196  197  198  199  200  201  202  203  204  205  206  207  208  209  210  211  212  213  214  215  216  217  218  219  220  221  222  223  224  225  226  227  228  229  230  231  232  233  234  235  236  237  238  239  240  241  242  243  244  245  246  247  248  249  250  251  252  253  254  255  256  257  258  259  260  261  262  263  264  265  266  267  268  269  270  271  272  273  274  275  276  277  278  279  280  281  282  283  284  285  286  287  288  289  290  291  292  293  294  295  296  297  298  299  300  301  302  303  304  305  306  307  308  309  310  311  312  313  314  315  316  317  318  319  320  321  322  323  324  325  326  327  328  329  330  331  332  333  334  335  336  337  338  339  340  341  342  343  344  345  346  347  348  349  350  351  352  353  354  355  356  357  358  359  360  361  362  363  364  365  366  367  368  369  370  371  372  373  374  375  376  377  378  379  380  381  382  383  384  385  386  387  388  389  390  391  392  393  394  395  396  397  398  399  400  401  402  403  404  405  406  407  408  409  410  411  412  413  414  415  416  417  418  419  420  421  422  423  424  425  426  427  428  429  430  431  432  433  434  435  436  437  438  439  440  441  442  443  444  445  446  447  448  449  450  451  452  453  454  455  456  457  458  459  460  461  462  463  464  465  466  467  468  469  470  471  472  473  474  475  476  477  478  479  480  481  482  483  484  485  486  487  488  489  490  491  492  493  494  495  496  497  498  499  500  501  502  503  504  505  506  507  508  509  510  511  512  513  514  515  516  517  518  519  520  521  522  523  524  525  526  527  528  529  530  531  532  533  534  535  536  537  538  539  540  541  542  543  544  545  546  547  548  549  550  551  552  553  554  555  556  557  558  559  560  561  562  563  564  565  566  567  568  569  570  571  572  573  574  575  576  577  578  579  580  581  582  583  584  585  586  587  588  589  590  591  592  593  594  595  596  597  598  599  600  601  602  603  604  605  606  607  608  609  610  611  612  613  614  615  616  617  618  619  620  621  622  623  624  625  626  627  628  629  630  631  632  633  634  635  636  637  638  639  640  641  642  643  644  645  646  647  648  649  650  651  652  653  654  655  656  657  658  659  660  661  662  663  664  665  666  667  668  669  670  671  672  673  674  675  676  677  678 próximo »


Hospital do Câncer de Londrina


CONTATO
contato@nossoclick.com
antonio.zaneti@gmail.com
(43)99920-1893



TV Na Rua / CornelioDigtal / BandDigital- 2007 - 2014