:Instituto Pasteur registra primeiro caso de raiva canina em SP desde 1983; secretaria investiga

Instituto Pasteur registra primeiro caso de raiva canina em SP desde 1983; secretaria investiga - TV Na Rua CornelioDigital Instituto Pasteur registra primeiro caso de raiva canina em SP desde 1983; secretaria investiga - TVNaRua Cornelio Digital - Notícias, Eventos e Entretenimento
Instituto Pasteur registra primeiro caso de raiva canina em SP desde 1983; secretaria investiga

Cão com raiva morreu e era da região do Butantã. Variante da raiva em morcego foi registrada em 2011. Prefeitura intensificou vacinação.

O Instituto Pasteur confirmou na última sexta-feira (1º), o primeiro caso de raiva em cães na cidade de São Paulo desde 1983. A Secretária da Saúde da cidade de São Paulo está investigando o caso.

O cão com raiva, segundo o Pasteur, era da região do Butantã, Zona Oeste de São Paulo. Ele morreu. O Instituto Pasteur é o responsável pelo controle de risco relativos à raiva e outras encefalites virais na cidade.

"Diante do caso, que segue em investigação, foram desencadeadas ações de vigilância na região, como intensificação da vacinação dos animais casa a casa pela Unidade de Vigilância em Saúde (Uvis), responsável pela área de abrangência que continuará por tempo indeterminado. Nos dias 1º e 2 de setembro, foram visitados 384 imóveis e vacinados 367 animais, como parte das atividades de bloqueio", diz a secretaria.

A cidade não registrava casos de raiva em cães da variante canina desde 1983, e quanto a variante transmitida pelo morcego, o último caso ocorrido foi em 2011.

O animal que morreu era um filhote que foi resgatado por uma mulher do Butantã. Ele foi levado para uma clínica veterinária em Taboão da Serra, na Grande São Paulo. O estado do animal piorou e foi preciso sacrificá-lo.

Sete pessoas que tiveram contato com o cachorro receberam a vacina e medicação contra a doença. Paulo Brandão, professor de veterinária da USP, fez o exame que confirmou que o cachorro que morreu tinha o vírus da raiva. O caso é tão incomum que ele chegou a desconfiar do resultado.

"Foi bastante surpreendente. Ele continuou dando positivo", disse.

A raiva é uma doença que ataca o sistema nervoso e o cérebro. Mordidas e arranhões são a principal forma de transmissão. Quando os sintomas começam a se manifestar, ela é fatal, em praticamente 100% dos casos.

Vacinação antirrábica

A Prefeitura de São Paulo disponibiliza imunização gratuita contra a raiva para cães e gatos, durante todo o ano, em 18 postos fixos espalhados pela cidade, assim como em postos volantes distribuídos pelo município.

"A vacinação contra a doença deve ser feita anualmente e é importante para manutenção do controle da doença nas populações caninas e felinas e, consequentemente, à saúde da população humana", diz a administração municipal.

Desde o início do ano, até julho, foram vacinados contra raiva 155.560 animais, sendo 97.666 cães e 57.894 gatos pelo Sistema Municipal de Vigilância.

A vacina antirrábica nos animais deve ser aplicada a partir dos três meses de idade. Animais com diarreias, em tratamento ou convalescendo de cirurgias devem aguardar a recuperação. A imunização tem validade de um ano para animais domésticos. A lista completa dos postos de vacinação pode ser consultada pelo link .

Acidentes

A pasta recomenda que, em casos de acidentes por mordedura ou arranhadura de cães e gatos, deve-se procurar imediatamente o atendimento médico para avaliação e conduta. Consulte neste link, unidades de referência.

Visualizações 56
Fonte: Estadao
Por: Reda��o
Data: 06/09/2023 10h42min

Hospital do Câncer de Londrina


CONTATO
[email protected]
[email protected]
(43)99920-1893



TV Na Rua / CornelioDigtal / BandDigital- 2006 - 2023