:CASSAÇÃO DO BOCA ABERTA Gaeco investiga suposta tentativa de compra de voto de vereador em Londrina

CASSAÇÃO DO BOCA ABERTA Gaeco investiga suposta tentativa de compra de voto de vereador em Londrina - Cornélio Digital - O Portal de Cornélio Procópio e Região
CASSAÇÃO DO BOCA ABERTA Gaeco investiga suposta tentativa de compra de voto de vereador em Londrina

O delegado do Gaeco (Grupo de Atuação especial de combate ao crime organizado), Alan Flore, abriu inquérito para apurar suposto oferecimento de propina feito ao vereador João Martins (PSL) para impedir o voto do parlamentar pela cassação do mandato do então vereador Emerson Petriv, o Boca Aberta, em outubro de 2017. Uma pessoa, ainda não identificada, teria oferecido R$ 15 mil para supostamente comprar o voto de Martins. 

Após prestar depoimento nesta quarta-feira (7), o vereador confirmou o fato, mas não soube identificar o autor do pedido. "O gabinete é público, fica aberto, eu estava sozinho e os assessores não estavam lá. Entrou esse senhor e insinuou essa proposta. E eu disse a ele que se repetisse, eu iria denunciá-lo", disse o parlamentar sem apresentar nome e características do autor do suposto achaque. "Eu não conheço, e nunca mais vi, não sei onde mora e nem o nome." 

O fato foi revelado ao Gaeco em depoimento prestado por Martins no dia 18 de julho quando o delegado apurava fatos relacionados ao esquema da operação ZR3 que investigou crimes por cobrança de propina para alteração de projeto de lei na Câmara Municipal de Londrina. À época, quando Martins era responsável pelo relatório da CP (Comissão Processante) que investigava os vereadores Rony Alves (PTB) e Mario Takahashi (PV). O Gaeco apurava um suposto pedido feito por Rony para Vera Rubo, assessora parlamentar de Martins, para "aliviar o relatório". 

Segundo Flore, o Gaeco deve formalizar pedido para acessar cópias do circuito interno de segurança da Câmara para tentar identificar o autor que ofereceu vantagens indevidas a Martins. "Estou também determinando a intimação de todos assessores que prestavam serviços no gabinete do vereador (João Martins) naquela ocasião, para nos auxiliar na investigação". Para o delegado, Martins, como agente público, tem a obrigação de revelar as situações de crime. "Tomando conhecimento de uma prática criminosa, ele tem obrigação legal de noticiá-la". Entretanto, Flore alega que não é possível caracterizar a demora em revelar o fato em "omissão deliberada ou dolosa". "Queremos agora coletar novos elementos desta pessoa." 

O Gaeco poderá ouvir o vereador cassado e deputado eleito Boca Aberta no curso da investigação. Em resposta à FOLHA, Boca Aberta classificou de "fake news" contra ele. "Ele, João Martins, votou contra nosso mandato, mais 14 pessoas, agora ele tá inventando essa história. Se fosse verdade por que a mais de um ano ele não denunciou isso? Por que ele não sabe o nome? Quem acusa tem que ter o ônus da prova ", questionou. "Eu Boca Aberta denuncio esse tipo de gente. Mas o povo me conhece. Ninguém tem procuração para falar em meu nome. Eu confio na competência do Gaeco para apurar esse fato."


Aqui

Visualizações 58
Fonte: Folha de Londrina
Por: Redao
Data: 08/11/2018 09h08min


« anterior [1]  2  3  4  5  6  7  8  9  10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20  21  22  23  24  25  26  27  28  29  30  31  32  33  34  35  36  37  38  39  40  41  42  43  44  45  46  47  48  49  50  51  52  53  54  55  56  57  58  59  60  61  62  63  64  65  66  67  68  69  70  71  72  73  74  75  76 próximo »


Hospital do Câncer de Londrina


CONTATO
contato@nossoclick.com
antonio.zaneti@gmail.com
(43)99920-1893



TV Na Rua / CornelioDigtal / BandDigital- 2007 - 2014